John Malkovich é um Casanova com morada em Lisboa

Votos de utilizador:  / 0
FracoBom 

Começa hoje em Lisboa a rodagem de "As Variações de Giacomo", entre o Palácio Foz e o Teatro São Carlos

No Teatro São Carlos em Lisboa, John Malkovich olha em redor, deslumbrado com um palco que vai pisar todos os dias no próximo mês. O actor norte-americano vai encarnar Giacomo Casanova, o mulherengo e humanista do séc. XVIII. "As Variações de Giacomo" começou como um projecto itinerante do encenador Martin Haselböck e agora, nas palavras de Malkovich, transforma-se "numa ópera dentro de uma peça que está dentro de um filme".

 

A peça de Martin Haselböck sobre Casanova fez a obrigatória tournée europeia nos passados dois anos, servindo como base para um filme do realizador austríaco Michael Sturminger e do produtor Paulo Branco. "Fiz uma grande força para que todas as filmagens do filme se passassem em Portugal", confessa Paulo Branco. Amanhã são gravadas as primeiras cenas no Palácio Foz, que vai fazer as vezes do famoso Castelo Dux, onde Casanova passou os últimos anos da sua vida a escrever as famosas memórias (traduzidas recentemente por Pedro Tamen em "História da Minha Vida"). Além das cenas históricas, o enredo passa também pelo actual Teatro São Carlos, onde John Malkovich faz de si próprio, enquanto em palco é Casanova de Martin Haselböck.

Entre o São Carlos e os palácios de Lisboa, o filme vai ser dividido em duas partes e tempos diferentes. No centro está sempre Malkovich, seja como Giacomo ou mesmo como o actor que faz de Giacomo. "Nunca vi grande diferença entre o palco e o cinema, apenas no processo, pois o teatro é mais orgânico e efémero", explica o actor. Apesar de Malkovich não sentir um imediato paralelo com as aventuras amorosas de Casanova, encontra um ponto em comum que o assalta diariamente: "O Casanova é uma celebridade e as histórias sobre ele nem sempre são verídicas. Acontece o mesmo comigo, ou qualquer pessoa conhecida no mundo. Se seguirem o que dizem, supostamente ontem tive um filho e estava no Chile".

Na rodagem, a plateia do São Carlos vai ter um público real e nos lugares da frente vai estar um membro especial, a actriz Maria João Bastos. "A minha personagem é uma fã de Malkovich, obcecada com ele e acha que o tem nas mãos" resume a actriz portuguesa. Maria João Bastos vai estar atenta ao actor norte-americano durante todo o filme, que por sua vez vai estar em palco rodeado por uma ópera. "Vou cantar? Isso depende da noção de cantar, mas abro a boca e faço qualquer coisa", indica Malkovich. Quem está melhor nestas andanças é o famoso tenor alemão Jonas Kaufmann, acompanhado pela Orquestra Académica de Viena e o maestro Martin Heselbock.

O elenco de luxo vai estar todos os dias no São Carlos desde meados de Agosto até dia 5 de Setembro. A escolha da sala partiu do realizador austríaco Michael Sturminger, que assinala imediatamente "isto é uma das salas de ópera mais bonitas da Europa". "A escolha da sala acontece porque é perfeita para combinar os dois tempos históricos que estamos a explorar", acrescenta. Enquanto a ópera acontece vão ser ainda projectadas cenas do filme numa tela, fazendo colidir as três realidades apresentada num único momento: teatro, ópera e cinema.

A música desenvolvida originalmente por Martin Haselböck é inspirada em "Don Giovanni", ópera de Mozart e libreto Lorenzo da Ponte, dois amigos de Casanova. Neste libreto, Casanova escreveu "não quero mais ser servo, quero ser mestre". Segundo o realizador, essas linhas são suficientes para descrever o filme.

{jcomments on}

As Nossas Publicações

  

   

 

  

    

  

  

 

 

  

      

 

 

login | registo