ptenfrdeitrues

Site In English França

sexta, dezembro 14, 2018
Você está aqui:Temas Especiais»Geopolítica»Investimento chinês em Portugal é plano para controlar sul da Europa
domingo, 02 dezembro 2018 12:16

Investimento chinês em Portugal é plano para controlar sul da Europa Destaque

Escrito por Agência Lusa
Classifique este item
(0 votos)

A China está a construir uma "comunidade de amigos" no sul da Europa, através de grandes investimentos, que lhe conferem poder sobre estas economias e dissuadem posições contrárias aos seus interesses, defende o investigador Philippe Le Corre.

"A China está a tentar construir uma comunidade de amigos no sul da Europa, onde se incluem a Itália, Grécia e Portugal. Os investimentos nestes três países são bastante óbvios e dão à China um certo poder sobre as suas economias", defendeu o investigador.

O académico francês falava em entrevista à agência Lusa, por telefone, a partir dos Estados Unidos, para antecipar a visita da próxima semana a Portugal do Presidente chinês, Xi Jinping.

Philippe Le Corre é formado em Ciência Política e Direito pela Universidade de Sorbonne, especialista em estudos asiáticos e investigador associado do Carnegie Endowment for International Peace, um 'think tank' sobre política externa com centros em Washington, Moscovo, Beirute, Pequim, Bruxelas e Nova Deli.

Responsável pelos programas de estudos Europeus e Asiáticos, Philippe Le Corre tem uma série de artigos publicados sobre a emergência da China e o seu plano para dominar o sul da Europa.

"Se a China continuar a comprar portos e aeroportos isso dar-lhe-á um certo poder sobre a economia destes países e, em consequência, será muito difícil para os governos, a longo prazo, dizer não à China", sustentou.

Para Philippe Le Corre, a compra, por parte da China, de infraestruturas, nomeadamente portos, não é uma questão de investimento, mas de influência.

"Se a China controlar todos os portos do Mediterrâneo, como no caso do porto de Sines, isso dará à China grande poder e influência na soberania desses países", sublinhou.

Por outro lado, questionou o que considerou o súbito interesse chinês nos Açores.

"Porque é que, de repente, a China está tão interessada no Atlântico? É um mistério para mim. Entendo a perspetiva do Governo dos Açores, que precisa de dinheiro [...] mas este é o lugar onde foi organizada a cimeira da guerra do Iraque, é simbólico para a relação transatlântica", lembrou.

O investigador assinalou que, em última análise, é o Estado chinês quem está a comprar as empresas portuguesas.

"O problema é que é o Estado chinês que está a comprar, não é uma companhia privada, não é um negócio. São empresas estatais, entidades do Partido Comunista Chinês, cujos CEO são responsáveis do PCC", apontou.

A falta de reciprocidade nos investimentos é outro problema apontado por Philippe Le Corre no relacionamento da China com a Europa.

"Muitos destes investimentos chineses têm sido úteis, mas e os investimentos europeus na China? Podem os europeus ou outros estrangeiros assumir o controlo de um porto, de um aeroporto ou de uma companhia de eletricidade na China? Podem investir numa companhia aérea, podemos ter um 'Alibaba' europeu na China? Claro que não", afirmou.

"Permitimos que empresas estatais tomem conta das nossas empresas e ao mesmo tempo não há reciprocidade e se não há reciprocidade não é jogar limpo", reforçou.

Crítico da iniciativa chinesa 'Uma faixa, uma rota', que prevê o controlo da China em infraestruturas portuárias em todos os continentes, Philippe Le Corre sustenta que a visita de Xi Jinping a Lisboa irá clarificar a posição de Portugal relativamente à adesão a este projeto.

Philippe Le Corre sustenta que, internamente, a China já não fala tanto da iniciativa e manifesta-se surpreendido com algumas declarações entusiastas de responsáveis portugueses sobre a integração do porto de Sines neste projeto.

"Portugal é um bom aluno, sempre a levantar a mão e a dizer estou aqui, não se esqueçam de mim, quero fazer parte disso. Esta visita será importante porque irá mostrar de que campo Portugal quer fazer parte", defendeu.

Reconhecendo que, do ponto de vista de Portugal ter investimento estrangeiro "é muito importante", Le Corre apontou o exemplo de Espanha, que Xi Jinping visitou na semana passada, que não aceitou integrar a iniciativa "Uma faixa, uma rota".

"A visita espanhola é um modelo interessante para seguir, mostrou um equilíbrio interessante entre os valores europeus e os interesses espanhóis", disse.

"Claro que Portugal será diferente, porque Portugal quer ser sempre diferente", vaticinou, sublinhando a importância de o país se manter fiel aos valores europeus e aos parceiros da União Europeia e Aliança Atlântica (NATO).

"A Europa esta numa situação difícil, há muitas divisões, há o 'Brexit', cresce o populismo em vários países, mas a situação geopolítica exige que nos mantenhamos juntos. Portugal é um país europeu, tem um lugar no Conselho Europeu e é muito importante que se mantenha fiel aos valores, às regras e ao Estado de direito [europeus]", reforçou.

Ler 40 vezes Modificado em domingo, 02 dezembro 2018 12:20

Deixe um comentário

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.

Usamos cookies para melhorar nosso site e sua experiência ao usá-lo. Os cookies utilizados para o funcionamento essencial deste site já foram definidos. To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

  I accept cookies from this site.
EU Cookie Directive Module Information