ptenfrdeitrues

          Outras Línguas

English Français 

domingo, maio 31, 2020

CADERNOS TEMÁTICOS : CATEDRAL FM . DIPLOMACIA . GEOPOLÍTICAKULTFASHION .  NETWORK AVIATION .  ÓRACULO DA HISTÓRIA . POLITICAL  .  SMARTVIDEO . SCOREMORE . TEKSMART IT . TECHNOLOGY MAG . MILITARY SERIES  | ECONOMY INSIGHT | PONT DES ARTS | TROUBLE SPOTS (eng)                                                                     

Você está aqui:Temas Especiais»Pensando Europa»Se França, Itália, Espanha e Portugal se unirem, "mudará a Europa"
sexta, 22 maio 2020 17:00

Se França, Itália, Espanha e Portugal se unirem, "mudará a Europa" Destaque

Escrito por
Classifique este item
(0 votos)

Antigo primeiro-ministro italiano comentou a divisão entre os países do norte e do sul da Europa, no âmbito da pandemia do novo coronavírus.

O antigo presidente da Comissão Europeia Romano Prodi dissenuma entrevista ao La Vanguardia, que a união dos países do sul, conforme se verificou no último mês face às críticas por parte dos Países Baixos em relação ao apoio aos países mais afetacdos pela pandemia, poderá mudar o rumo da União Europeia.

Quando questionado pela jornalista sobre se se assistia, novamente, a uma divisão entre o norte e o sul da Europa, o antigo primeiro-ministro italiano disse que sim, mas que "o cenário mudou". 

"França, Itália e Espanha fizeram o mesmo jogo nas últimas semanas de forma excepcional. Se se mantêm assim, mudará a Europa, porque estes três países representam metade da população, e se lhe juntarmos outros como Portugal... Isto não pode não ter consequências, porque não é um país sozinho, não é a Grécia", disse.

"Mas atenção, isto não significa ser-se anti-alemão, talvez um pouco mais anti-holandês, sim, mas anti-alemão não", acrescentou.

No entender de Romano Prodi, Espanha e Itália, mesmo que se unam, "são débeis", sendo por isso "importante que França se tenha juntado pela primeira vez".

Prodi não poupou críticas à administração holandesa: "Eu aceito lições de quem tem virtudes, mas dos Países Baixos, que se converteram no maior paraíso fiscal europeu, não aceito lições, era o que mais faltava".

O antigo governante, de 80 anos de idade, comentou ainda a postura de Itália face à pandemia. "Vi uma Itália que sofre, mas que se comportou como um país sério", disse. Admitindo que gerir uma coligação "causa sempre problemas", indicou, porém, que "um governo cai quando há alternativas". "E, neste momento, não as vejo. Se não se agravar a situação económica, não vejo uma crise iminente", disse.

Ler 55 vezes Modificado em sexta, 22 maio 2020 17:06

Deixe um comentário

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.

Parceiros Educacionais

National Geographic   Discovery Channel      

Parceiros Tecnológicos de Referência


Teksmartit     IB6   

Usamos cookies para melhorar nosso site e sua experiência ao usá-lo. Os cookies utilizados para o funcionamento essencial deste site já foram definidos. To find out more about the cookies we use and how to delete them, see our privacy policy.

  I accept cookies from this site.
EU Cookie Directive Module Information